A história da dieta carnívora

Atualizado: 25 de Ago de 2018


Nós somos ensinados que a carne é insalubre, entope artérias, engorda, aumenta o colesterol, é um indutor de ataque do coração, causa constipação, comida que aumenta o risco de câncer e que deveria ser evitada como a peste, e que uma dieta baseada em planta é o santo graal de saúde.


Pelo que sei, o mundo ainda tem que produzir uma civilização que tenha ingerido uma dieta vegana desde a infância até a morte, ao passo que há numerosos exemplos de histórias de pessoas de diversas origens culturais, étnicas e geográficas que viveram principalmente com dietas a base de carne por décadas, vidas, gerações. O que exatamente essas culturas carnívoras comeram e quão saudáveis ou pouco saudáveis elas eram?


Na minha opinião, exemplos de pessoas reais comendo principalmente dietas a base de carne por longos períodos de tempo nos dão informações muito mais poderosas sobre carne e saúde do que estudos científicos convencionais conduzidos em curtos períodos de tempo em que um grupo come um pouco mais de carne ou algumas porções extras de vegetais do que outro grupo de pessoas.


Conheça os “traficantes” de carne


◾ Os inuits do Ártico canadense prosperaram com carne de peixe, foca, morsa e baleia. ◾ Os Chukotkas do Ártico russo viviam de carne de rena, animais marinhos e peixes. ◾ Os guerreiros Masai, Samburu e Rendille da África Oriental sobreviveram com dietas que consistem principalmente em leite e carne. ◾ Os nômades das estepes da Mongólia consumiam principalmente carne e laticínios. S Os Sioux da Dakota do Sul desfrutaram de uma dieta de carne de búfalo. ◾ Os gaúchos brasileiros se alimentavam de carne bovina.


Perigosamente desequilibrado?


Quantas porções de frutas e verduras a maioria dos povos árticos comeram na maioria dos dias do ano? Zero. Quanta fibra existe em uma foca, um peixe ou um pássaro do Ártico? Nenhuma. O médico Samuel Hutton, que tratou os esquimós na província canadense de Labrador na virada do século 20, escreveu:


“Eu me pergunto se os esquimós são únicos entre as nações em seu desrespeito aos alimentos vegetais? Às vezes eu os via pegando brotos de salgueiros e um ou dois outros pedacinhos de verde e comendo-os como um tempero da carne deles; mas eles não fazem absolutamente nenhuma tentativa de cultivar o solo, e nem mesmo aproveitam ao máximo as plantas que crescem. Durante as curtas semanas de verão, a vegetação brota de uma maneira perfeitamente maravilhosa ... Certamente, entre esta louca aventura vegetal, deve haver algumas coisas boas para comer! Eu sei que há muitas folhas de dente-de-leão, e eu provei coisas piores no meu tempo, mas as pessoas nunca tocam nelas… ”[Hutton SK 1912]

De todos os relatos, essas pessoas comiam pouco ou nenhum alimento vegetal durante a maior parte do ano (o verão era uma exceção):


“Mas, embora a jardinagem seja totalmente estranha à natureza esquimó, eles não desprezam inteiramente as boas coisas da terra ... Na maioria dos anos, os arbustos que rastejam no chão são carregados com frutas suculentas - uma disposição verdadeiramente maravilhosa - e as pessoas se reúnem. eles não apenas aos punhados e baldes, mas barris.” [Hutton SK 1912]

Suas dietas eram, portanto, extremamente baixas em fibra na maior parte do tempo e muito altas em proteína animal e gordura animal. Essas formas tradicionais de comer aterrorizariam o USDA, a American Heart Association, a American Cancer Society, sem mencionar a Harvard School of Public Health, que continua sendo uma instituição anti-carne, anti-gordura saturada e anti-colesterol.

Como no mundo esses tipos de desinformados conseguiram obter todas as suas vitaminas e minerais sem os amontoados de frutas coloridas, vegetais e grãos integrais sem os quais nos é dito que certamente iremos perecer? Eles não eram cretinosos, doentes com câncer, com problemas no coração, com prisão de ventre, obesos gordos que morreram jovens de doenças de deficiência assustadoras como o raquitismo e o escorbuto?


Vejamos os dois grupos de pessoas para os quais temos mais informações médicas disponíveis para ver se podemos começar a responder algumas dessas perguntas muito importantes. O que se segue não pretende ser uma revisão completa; Escrevi este artigo porque estava entusiasmado em compartilhar algumas das coisas fascinantes que estou aprendendo enquanto pesquiso carne e saúde humana.


Um conto de duas cidades


Bem, cidades é um pouco exagerado… na verdade, nenhum desses grupos de pessoas era gente da cidade, mas é aí que as semelhanças terminam. A única coisa que essas pessoas tinham em comum era que comiam poucos alimentos vegetais.

Você não poderia pedir duas culturas mais diferentes do que os esquimós do Ártico e os pastores do leste da África:


◾Pólo Norte vs. Equador ◾Asia vs. Africa ◾Não-lácteos vs. Laticínios ◾Surf vs. Turf


Os povos do Ártico estudados viviam nas partes “circumpolares” mais setentrionais do Alasca, Canadá, Rússia e Groenlândia. As dietas da maioria das pessoas do Ártico começaram a mudar no final de 1800, já que rotas comerciais começaram a fornecer acesso a alimentos europeus, incluindo açúcar, farinha e produtos lácteos, mas antes disso sua dieta consistia principalmente de proteína animal e gordura durante a maior parte do ano.



Os pastores da África Oriental (povos Masai, Samburu e Rendille) estudados, vinham do que hoje são o Quênia e a Tanzânia, ao longo do equador africano. Por tradição, os machos dessas tribos comiam apenas alimentos de origem animal (carne e produtos lácteos) dos 14 aos 28 anos, quando completaram seus anos de guerreiro.




Esses grupos únicos de pessoas foram objeto de intensa investigação médica há várias décadas, e tem havido numerosos artigos científicos escritos sobre sua dieta e saúde.


Carne e Doença Cardíaca


Mais de 40 anos atrás, a remota região de Point Hope, no Alasca (onde uma dieta de carnes em grande parte ainda estava sendo consumida devido à sua localização isolada) foi o tema de uma pesquisa publicada em 1972:


“Os habitantes de Point Hope representam um dos poucos remanescentes das culturas esquimó de caça de baleias, focas e morsas no mundo ... A ingestão calórica diária total média foi de aproximadamente 3.000 kcal [calorias] por pessoa, variando de 2.300 a 4.500 kcal. Aproximadamente 50% das calorias foram derivadas de gordura e 30 a 35% de proteína. Os carboidratos representavam apenas 15 a 20% de suas calorias, em grande parte sob a forma de glicogênio [amido animal] da carne que consumiam. Produtos de grãos eram escassos e embora a sacarose [tabela “” não encontrada] não era desconhecida, o adulto médio ingeriu menos de 3g / dia, principalmente para adoçar chá ou café. ”[Ho KJ et al 1972]

Os pesquisadores descobriram que a incidência de doenças cardíacas entre os moradores de Point Hope era dez vezes menor do que na população caucasiana geral dos Estados Unidos. Não apenas isso - seus níveis de triglicérides (níveis de gordura na corrente sanguínea) tinham uma média de 85 mg / dL, enquanto que os níveis médios de triglicérides nos EUA naquela época tinham uma média de 100 mg / dL.

Para que você não pense que esses povos do Alasca eram especiais - que seus níveis de triglicerídeos eram baixos por causa de diferenças genéticas ou porque haviam se adaptado ao longo de séculos à sua dieta carnívora e que não era justo comparar seus níveis de triglicerídeos com os dos americanos do continente você pode querer pensar duas vezes.

Um estudo muito mais recente, realizado em áreas remotas do sudoeste do Alasca, comparou pessoas nativas que relataram ter consumido a maior porcentagem de alimentos tradicionais de origem animal a pessoas nativas que relataram comer a menor porcentagem de alimentos tradicionais para animais. Alascas nativos seguindo uma dieta mais tradicional que estavam comendo muito mais proteína animal e gordura animal, ainda tinham triglicerídeos em média 25 pontos mais baixos do que seus vizinhos mais ocidentalizados. [Bersamin 2007]

Mesmo recentemente, em 1980, apenas 3,5% de todas as mortes nos esquimós da Groenlândia eram devidas a doenças cardíacas, apesar de um período de vida de mais de 60 anos.

Agora, alguns povos do Ártico tiveram algum acúmulo de colesterol em suas artérias, mas isso foi aparentemente leve e visto principalmente naqueles que estavam comendo uma mistura de alimentos modernos e tradicionais:


“A raridade da doença cardíaca isquêmica tem sido repetidamente notada, com a devida consideração pela expectativa de vida dos esquimós. Rabinowitch, discutindo a alegação de outros que a arteriosclerose era rara em esquimós, afirmou que este não era o caso daqueles que ele examinou no Ártico oriental do Canadá, onde o contato com o homem branco alterou a dieta, mas nas partes mais setentrionais não houve evidência de arteriosclerose; o colesterol total no sangue foi baixo. 18 necropsias por Gottman entre 1956 e 1958, e por Arthaud entre 1959 e 1968, em esquimós do Alasca, em parte com dietas européias, mostraram que a aterosclerose era leve e não uma