• Fernando Ramos

Dieta Carnívora e Gravidez


Post baseado no relato de Kelly Williams através do site "MyZeroCarbLife".


Kelly Williams escreve que iniciou sua jornada com uma dieta livre de carboidratos em 2005. A partir de 2015 ela começa a contar sua história através de seu blog.

Williams conta que iniciou com uma dieta Low Carb e descobriu que seu corpo funcionava melhor com uma dieta Zero-Carb (livre de carboidratos). Ela conseguiu passar por duas gestações mantendo uma dieta de zero carboidratos.


Kelly Williams

Segue o relato.


Meu médico queria me contar algo


No meu quinto ano de dieta Low Carb, eu descobri um fórum on-line para pessoas que seguiam uma dieta Zero-Carb e, depois de ler seus diários de inspiração, decidi mudar de baixo carboidrato para ZERO. Eu eliminei todos os adoçantes (incluindo todo o açúcar e todos os adoçantes artificiais) da minha dieta. Comecei a comer uma dieta rica em gordura, sem carboidratos, todos baseados em animais e imediatamente me senti incrível!


O desejo persistente por doces e desejos constantes por carboidratos que me torturaram desde a infância se foram. Eu tinha muito mais energia e até me sentia mais aguçada mentalmente. Além disso, consegui evitar os 54,4 kg que perdi com uma dieta baixa em carboidratos sem ter que me exercitar ou passar fome. Eu sabia que nunca mais iria voltar a comer carboidratos de novo.


Então, descobri que estava grávida.


Meu marido e eu estávamos tentando e orando para termos um bebê há alguns anos, mas minha dieta com baixo teor de gordura e restrição calórica me deixou sem ciclo menstrual. Depois de duvidar se eu seria capaz de ter filhos, eu estava completamente feliz por finalmente estar grávida.


Mas isso levantou uma questão muito interessante e assustadora ...


É seguro se alimentar com uma dieta Zero-Carb durante a gravidez?


A literatura mais popular (incluindo o livro, "What To Expect While Expecting" - "O que esperar quando se está esperando") sugere fortemente que as mulheres grávidas comam uma dieta rica em fibras, evitando grandes quantidades de gordura. Fibra e redução da ingestão de gordura devem ajudar as mulheres a evitar desconfortos comuns na gravidez, como azia, enjôo matinal, constipação, ganho excessivo de peso e hemorróidas.


Ah, as alegrias da maternidade!


Minha obstetra / ginecologista já sabia que eu não comia carboidratos, e mesmo que ela apoiasse minha decisão, eu ainda estava nervosa por ir tão descaradamente contra as recomendações padrão. Nos últimos anos, eu estava confiante em minhas próprias escolhas alimentares, mas de repente senti de maneira diferente quando vi que meus alimentos também afetariam outro ser humano. E não apenas qualquer outro ser humano. Meu bebê.


Então, é claro, como todas as futuras mamães, comecei a pesquisar no Google. Na época, não havia muita informação ou pesquisa sobre os riscos (ou benefícios) de comer uma dieta sem carboidratos durante a gravidez. Eu queria fazer tudo o que pudesse para o meu pequeno, e eu certamente não queria colocar meus próprios objetivos dietéticos e de peso à frente de um bebê saudável. Eu acabei me questionando sobre a minha dieta pela primeira vez em muito tempo.


Como muitas mulheres grávidas, acabei tendo algumas aversões à comida bastante estranhas, o que fez com que o consumo de carboidratos se tornasse mais difícil. Cheguei a um ponto em que não conseguia suportar a idéia de comer um hambúrguer simples, e quase engasguei com a visão de algumas das minhas comidas favoritas, incluindo o BIFE! Um carnívoro que não queria um bife grande e suculento ??? O que estava acontecendo com meu cérebro?


Apesar dos episódios bizarros, eu comia muito bem durante a gravidez: muito bacon, ovos, queijo, asas de frango e quase todas as outras carnes que pareciam boas na época. Eu não comia vegetais, frutas ou grãos.


Bem, isso não é totalmente verdade. Eu comi um vegetal.


Eu senti um desejo desesperador por picles. Sim, eu sei que é coisa da imaginação, e eu me odiei por ser a mulher grávida que não resistiu a uma saliva estúpida, mas eles eram minha única "criptonita". Eu me permiti aquela única exceção do reino animal, embora haja muito pouco (se algum?) benefício nutricional em comê-los. Eles eram apenas bons.


Felizmente, evitei todos os outros desejos por carboidratos na gravidez. Nenhum desejo por panquecas, sorvete ou rosquinhas. Meu corpo parecia apoiar minha decisão de evitar carboidratos, o que fez minha confiança crescer. E os chutes, giros da menina que crescia no meu útero também foram um bons indicadores de que as coisas estavam indo bem.


Outros sinais de que meu corpo estava bem com a minha dieta: eu tinha ZERO enjôo matinal, ZERO indigestão, ZERO problemas com hemorróidas (risos), e ZERO problemas no banheiro (Que fibra?). Meu ganho de peso era bem mediano, de acordo com meu médico, e o bebê parecia estar crescendo a uma taxa normal. Tudo foi bem.


E então ... quando eu estava com 33 semanas de gravidez, minha bolsa rompeu.


De zero a sessenta


Quero ser sincera: inicialmente hesitei em escrever sobre o meu parto prematuro, porque não queria que as pessoas chegassem à conclusão de que isso aconteceu porque eu tinha comido muito bacon.


Mas depois de conversar com meus médicos (eu tive vários ao longo da gravidez), nenhum deles pareceu achar que havia alguma correlação entre a minha dieta e a chegada prematura da nossa filha. Ao que se parece, há cerca de 15 milhões de bebês que nascem prematuramente a cada ano.


E de todas as milhares de mães que são obrigadas a seguir dietas diabéticas, as estatísticas mostram que elas não são mais propensas a parto prematuro do que as mães que ingerem uma dieta rica em carboidratos. Independentemente disso, eu nunca conheci um médico ou nutricionista que me dissesse que comer doces teria me ajudado a evitar parto prematuro.


Esta próxima parte é incrível para mim. Apesar de Julia ter nascido com 33 semanas de gestação, ela estava completamente saudável e capaz de respirar e comer sozinha. Ela não precisava de oxigênio, tubos de alimentação ou medicação (além do tratamento para icterícia). Ela estava totalmente desenvolvida e saudável. Nós tivemos uma menina feliz e saudável, e eu passei o ano seguinte desfrutando a maternidade e amamentando meu bebê enquanto eu continuava comendo uma dieta com zero carboidratos.


E quando estávamos nos acostumando a ter um filho ...


Quando Julia fez um ano, descobri que estava grávida do nosso filho. Mais uma vez, continuei comendo uma dieta com zero carboidratos. (Sem picles desta vez!) Eu ganhei cerca de 11,3 kg na minha segunda gravidez. Não sofri de enjôo matinal, azia, depressão pós-parto, níveis elevados de açúcar no sangue, problemas de pressão arterial ou outros problemas induzidos pela gravidez.


Dado que o meu primeiro parto foi através de uma cesariana de emergência, o meu médico descartou o parto normal para mim no futuro. Então, meu médico realizou uma cesariana programada para nosso filho com 37 semanas, e nosso filho, Thomas, nasceu no final de 2012.


Eu quero deixar algo muito claro: eu não sou médica. E eu não estou aqui para dizer a ninguém (grávida ou não) como se deve comer.


Meu objetivo aqui é dizer para todos que se perguntam se uma dieta Zero-Carb é segura para o feto. Eu quero falar de minhas próprias experiências sem tentar persuadir os outros a seguir.


Pude ter filhos enquanto estava em uma dieta sem carboidratos, quando não era capaz de tê-los enquanto comíamos uma dieta pobre em gordura e carregada de carboidratos. Consegui fazer isso evitando muitos problemas típicos de gravidez, dando à luz bebês saudáveis e bonitos sem comer pão, massas, cereais, doces, vegetais ou frutas.


E já que sei que muitos de vocês lêem este blog interessados em perder peso. Eu vou acrescentar que consegui ter meus queridos bebês sem recuperar os 54,4 kg que perdi. Na verdade, eu agora peso exatamente o mesmo que eu pesava antes de ter filhos. Eu estava de volta ao meu peso "pré-Thomas" dentro de duas semanas após seu nascimento. Mais uma vez, sem morrer de fome. Sem exercícios. E SEM CARBOIDRATOS.


Eu vou encerrar esta postagem admitindo que eu era bastante ingênua. Eu realmente pensei que, seguindo uma dieta zero-carb enquanto grávida ia ser a parte mais difícil. Mal sabia eu que o meu maior desafio Zero-Carb estava mais adiante …


Traduzido por Fernando Ramos (@fernandolrr).

Dieta Carnívora Brasil no Instagram