• Fernando Ramos

O Problema dos Estudos Epidemiológicos


Conteúdo da Imagem é Apenas uma Montagem - Informação Fictícia

Postagem com o intuito de explicar o que são estudos epidemiológicos e porque não devemos considerá-los como verdade absoluta.


Existem muitos tipos diferentes de estudos que os pesquisadores podem realizar para tentar entender o mundo ao nosso redor, e o estudo epidemiológico é o método mais fraco e menos confiável disponível. Infelizmente, é a abordagem mais comum utilizada no campo da nutrição.

Aqui está um exemplo. Ao fazer apresentações de nutrição, gosto de ressaltar que não há provas de que os vegetais sejam necessários ou saudáveis. Inevitavelmente, alguém pergunta como posso dizer isso, quando há tantos estudos revelando que os vegetais são saudáveis. Agora, se alguém lhe pedisse para projetar um experimento simples que poderia nos dizer se os vegetais são ou não saudáveis, o que você faria?

Quando eu perguntei a um estudante de ciência do ensino médio de 15 anos essa pergunta, aqui está o que ele disse: "Eu gostaria que uma pessoa comesse vegetais e a outra pessoa não comesse vegetais e visse quem era mais saudável". Brilhante! Agora, é claro, ele tem 15 anos e não estudou metodologia de pesquisa, então ele não percebe que você precisaria de mais de duas pessoas para fazer este estudo, mas além disso, ele está certíssimo.

Sim, existem milhares de estudos sobre vegetais e saúde, mas não consegui encontrar um único experimento que compare um grupo de pessoas que come vegetais com outro grupo de pessoas que não comem vegetais. Pior ainda, a grande maioria dos estudos que analisam vegetais e saúde são estudos epidemiológicos, e estudos epidemiológicos não são experimentos.

É isso mesmo: um estudo epidemiológico não é um experimento! Veja o que os epidemiologistas fazem. Eles escolhem um problema de saúde e tentam descobrir por que algumas pessoas são mais propensas a desenvolver esse problema de saúde do que outras pessoas. Vamos pegar uma doença cardíaca, por exemplo. O conhecido "Paradoxo Francês" é um bom exemplo. Anos atrás, parecia que os franceses eram menos propensos a ter doenças cardíacas do que os americanos, então os epidemiologistas compararam o estilo de vida dos franceses ao estilo de vida dos americanos e tentaram adivinhar o que havia no estilo de vida francês que era melhor para o coração.

Das muitas diferenças entre o estilo de vida americano e o estilo de vida francês que poderiam ter escolhido (o fato de os franceses terem comido mais alimentos integrais e menos junk food, por exemplo), o que decidiram focar foi o vinho tinto. Por que vinho tinto? A escolha parece meio aleatória para mim. De fato, pode ter sido até pior do que aleatório - a escolha pode ter sido influenciada pelos desejos e crenças dos pesquisadores. Afinal de contas, não seria maravilhoso se a resposta para o problema da doença cardíaca nos Estados Unidos se tornasse um simples déficit de vinho tinto?

Assim, os epidemiologistas notaram que os franceses pareciam beber mais vinho tinto do que os americanos e, como os americanos tinham mais doenças cardíacas do que os franceses, relataram em seus estudos que beber vinho tinto estava associado a um risco reduzido de doença cardíaca. Esta palavra "associada" é muito importante. Note-se que eles não dizem, e não podem dizer, que o vinho tinto reduz o risco de doença cardíaca. Para dizer isso, eles precisariam realizar um experimento. Um estudo epidemiológico pode ser útil na geração de HIPÓTESES (suposições instruídas) sobre fatores de risco para doenças, mas não pode provar causa e efeito.

Infelizmente, a maioria dos repórteres (e até mesmo muitos médicos) não entendem essa importante limitação dos estudos epidemiológicos. Portanto, quando os repórteres escrevem manchetes assustadoras como “A carne vermelha aumenta o risco de morte” ou promissoras manchetes como “Frutas e verduras reduzem o risco de câncer”, eles não percebem que essas afirmações dramáticas são baseadas em suposições que ainda não foram cientificamente comprovadas.

Digamos que você esteja tentando entender por que algumas pessoas se tornam alcoólatras, enquanto outras não. Você entrevista 10 mil alcoólatras e 10 mil não-alcoólatras, dando-lhes questionários sobre seus hábitos diários. Essas perguntas são baseadas nas crenças dos pesquisadores sobre o que pode causar o alcoolismo em primeiro lugar. Note que é impossível perguntar sobre um fator de risco que você não pensou. Um tipo padrão de pergunta ficaria assim: "Quantas vezes você já comeu bretzels nos últimos dois anos?" Se você descobrir que os alcoólatras relataram comer significativamente mais bretzels nos últimos dois anos do que os não-alcoólatras, no dia seguinte a manchete do jornal Huffington Post será: “Comer bretzels aumenta o risco de alcoolismo”. A história que acompanha a manchete aconselha as pessoas a comer menos bretzels para reduzir o risco de alcoolismo. Absurdo.

Estudos epidemiológicos, no seu melhor, só podem apontar uma possível conexão entre duas coisas, mas esse é apenas o primeiro passo na tentativa de descobrir se existe ou não uma conexão entre eles:

“A epidemiologia está preocupada com a incidência de doenças em populações e não aborda a questão da causa da doença de um indivíduo. Essa questão, às vezes referida como causação específica, está além do domínio da ciência da epidemiologia”.

Existe um ensaio bem escrito sobre o Dr. Walter Willett, o pai da epidemiologia nutricional, e as deficiências do campo, no maravilhoso site de Adele Hite: www.eathropology.com.


Artigo traduzido por Fernando Ramos. Fonte: Diagnosis: Diet


0 visualização

Dieta Carnívora Brasil no Instagram